NOTÍCIAS

Informações atualizadas todos os dias

Painéis virtuais do Campo Futuro calculam custos de produção da suinocultura em Seara

MB Comunicação

Suinocultura UT (Unidade de Terminação) e UPL (Unidade de Produção de Leitão) foram o foco de dois painéis virtuais realizados, nesta semana, em Seara, no oeste catarinense, para levantar os custos de produção, a valorização no mercado e as projeções do segmento. Desenvolvidos pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e Labor Rural, os eventos contaram com a parceria do Sistema FAESC/SENAR-SC e Sindicatos Rurais.

Os encontros, promovidos de forma virtual como medida de prevenção ao coronavírus, reuniram representantes do Sistema FAESC/SENAR-SC, do Sindicato Rural de Seara e produtores integrados da região.

Na abertura, o presidente do Sindicato Rural Valdemar Zanluchi destacou a importância da iniciativa para fortalecer a produção de suínos local.  O representante da FAESC na Comissão Nacional de Aves e Suínos da CNA, Gilmar Antônio Zanluchi, complementou que as informações levantadas no Campo Futuro serão essenciais para planejar estratégias que visam fomentar o segmento com base em dados reais do município. “Esse levantamento é importante para que os produtores reduzam riscos e garantam mais rentabilidade. Além disso, o produtor também passa a entender melhor os custos que, muitas vezes, não sabia que impactavam no seu negócio”.

A coordenadora de Produção Animal da CNA, Lilian Figueiredo, enfatizou que os dados serão disponibilizados em relatórios de forma detalhada no próximo mês. Segundo ela, no Painel UT foi possível observar que o preço de venda praticado na região não está pagando nem o custo operacional efetivo. “A produção do suíno está mais cara do que o preço de venda obtido na região. Mesmo a curto prazo, a atividade não está sendo lucrativa. Já na UPL, o cenário está um pouco melhor, mas mesmo assim, é preocupante. Observamos que, nessa categoria, é pago apenas o custo operacional efetivo, que são aqueles gastos diretos com os animais”.

Lilian ressalta que é apertado para o produtor, mas é possível pagar. “Se analisarmos em médio e longo prazo, tanto o custo operacional quanto o custo total, que verifica realmente todos os custos diretos e indiretos envolvidos na produção, os dois cenários estão negativos e se mostram preocupantes para a suinocultura integrada de Seara”. 

O presidente do Sistema FAESC/SENAR-SC, José Zeferino Pedrozo, enfatizou que essa situação confirma a necessidade de pensar em políticas para reverter o atual cenário. “É nesse momento que percebemos o quanto o Campo Futuro é importante para termos em mãos dados reais de cada região e, com base nisso, planejar ações adequadas para uma eficiente gestão de custos que atenda a realidade de cada local. Dessa forma, é possível fortalecer a atividade no mercado e gerar mais renda aos produtores rurais”.

CAMPO FUTURO

O Campo Futuro visa calcular os custos de produção nas propriedades e disponibilizar informações para os produtores sobre o mercado. Trata-se de um projeto de gestão de custos e riscos voltado para produtores rurais, com propósito de calcular os gastos de produção nas propriedades e utilizar as operações em mercado futuro. Após a realização dos painéis, as matrizes de custos e as informações sobre as receitas médias são atualizadas pelas instituições parceiras do projeto.

As atividades agropecuárias e respectivas regiões foram definidas com base na necessidade de atualização das informações e inclusão de novos polos produtivos. Para o levantamento de dados foi utilizada a metodologia de painel de produção que consiste em reunir entre 10 e 12 produtores típicos da região e profissionais da área para identificar, mediante debates e planilhas específicas, o sistema de produção local e custos diretos e indiretos.

CONFIRA PROGRAMAÇÃO DOS PRÓXIMOS PAINÉIS

A programação do Projeto Campo Futuro segue no dia 2 de agosto, das 14 às 18 horas, em Curitibanos sobre horticultura (alho); no dia 3, das 14 às 18 horas, em Ituporanga sobre horticultura (cebola); e no dia 5, das 14 às 18 horas, sobre fruticultura (maçã).