Uma vitória da sociedade

Uma vitória da sociedade
FAESC
12 de Abril de 2024
Por: José Zeferino Pedrozo, presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de SC (Faesc) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar/SC).
Fonte: SISTEMA FAESC/SENAR

O Código Ambiental de Santa Catarina – o primeiro do País criado por uma unidade da Federação – foi aprovado pela Assembleia Legislativa e sancionado pelo então governador Luiz Henrique em março de 2009. O código tornou-se lei estadual e levou tranquilidade ao campo, mas antes de ser aprovado, o projeto foi severamente atacado. A mais recente vitória foi obtida pela Procuradoria-Geral do Estado junto ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região. O TRF-4 acolheu recurso e reformou sentença proferida pela 6ª Vara Federal de Florianópolis, que entendeu existir conflito entre o Código Florestal e a Lei da Mata Atlântica.

As principais entidades do agronegócio barriga-verde – Faesc, Sindicarne, Ocesc, Fecoagro e Fetaesc – credenciaram escritório de advocacia para atuar como terceiros interessados na causa. Na prática, a PGE reverteu decisão que impedia aplicação de legislações estaduais de Meio Ambiente. A sentença agora derrubada determinava que os órgãos ambientais federal e estadual deixassem de observar o regime jurídico de áreas consolidadas, previsto no Código Florestal e no Código Estadual do Meio Ambiente, e passassem a seguir o marco previsto em um decreto de 1990, supostamente acolhido pela Lei da Mata Atlântica.

Caso a sentença original fosse mantida ficaria inviabilizada grande parcela das pequenas propriedades rurais de Santa Catarina. Causaria extrema insegurança jurídica, além de prejuízos à economia catarinense e severas restrições a milhares de empresas rurais catarinenses.

O essencial é que restou pacificada a inexistência do conflito entre as leis e a plena aplicabilidade do regime de áreas rurais consolidadas previsto no Código Florestal, o qual foi, aliás, declarado constitucional pelo Supremo Tribunal Federal ao bioma Mata Atlântica.

A Faesc foi grande incentivadora da criação do Código Ambiental estadual, sempre amparada no artigo 24 da Constituição Federal, segundo o qual, compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre floresta, caça, pesca, fauna, conservação da natureza, defesa do solo e dos recursos naturais, proteção do meio ambiente e controle da poluição. Cabe à União definir os preceitos genéricos, mas os Estados devem elaborar leis para atender a suas peculiaridades.

O sucesso do código catarinense foi tão grande que a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) passou a defender, na esfera nacional, a tese segundo a qual cada Estado deveria criar seu Código Ambiental. A elaboração de normas ambientais deve ser balizada por conclusões científicas e não por orientação ideológica. Por exemplo, o tamanho da mata ciliar para fins de área de preservação permanente (APP), de acordo com conclusões científicas, deve ser definido de acordo com a declividade, profundidade e textura dos solos e não pela largura dos rios e riachos.

No passado, estudos e avaliações científicas sobre a utilização dos recursos naturais e a exploração racional e sustentável da agricultura e da pecuária permitiram demonstrar que muitas normas ambientais federais eram excessivas, incoerentes e irreais e apenas inviabilizam a agricultura, a pecuária e o agronegócio no país.

O que fez o Código de SC? Descriminalizou a conduta de famílias rurais que apenas produziam, mas, a pura e simples aplicação da legislação ambiental federal colocava na ilegalidade, por exemplo, grande parte dos produtores de suínos, aves e leite de Santa Catarina. Tudo o que queremos é paz e tranquilidade para o campo produzir dentro da lei e dos critérios de sustentabilidade. A decisão da Justiça Federal evitará a paralisação da agricultura catarinense – e essa é uma vitória da sociedade.

Leia também

FAESC

|

14 de maio 2024

Prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda vai até 31 de maio A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc) alerta aos produtores sobre o prazo e as novas regras de Declaração do Imposto de Renda de Pessoa Física (IRPF) de 2024, referente ao ano-base 2023. Desde o dia 15/3 está liberado o acesso aos programas IRPF 2024 e para download. Também está disponível a declaração pré-preenchida. A data limite para a entrega é o dia 31 de maio.

FAESC

|

14 de maio 2024

Faesc avalia de forma positiva atuação do Caoagro no combate ao crime no agronegócio No comparativo com 2023, houve aumento de 3,5% no número de ocorrências recebidas, resultado direto da ampliação e disseminação dos canais de denúncias da Polícia Civil, como a Deleagro Virtual e o Disque Denúncia Agro.

SENAR

|

3 de maio 2024

Treinamento Cultivo Protegido de Hortaliças promove a inclusão na APAE de Bom Retiro Com essas palavras a aluna da APAE de Bom Retiro, Laís da Cruz Bonin, 25 anos, descreveu a experiência de participar neste mês do Curso de Formação Profissional Rural (FPR) “Cultivo Protegido de Hortaliças”.

SENAR

|

29 de abril 2024

Base Aérea de Florianópolis e Senar/SC alinham ações do Projeto Soldado-Cidadão Representantes das Forças Armadas da Base Aérea de Florianópolis estiveram, nesta semana, na sede do Sistema Faesc/Senar (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina e Serviço Nacional de Aprendizagem Rural). O objetivo foi conhecer os resultados das ações de capacitação e formação profissional oferecidos aos produtores rurais e promover o alinhamento das atividades do Projeto Soldado-Cidadão.

FAESC

|

26 de abril 2024

Prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda vai até 31 de maio A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc) alerta aos produtores sobre o prazo e as novas regras de Declaração do Imposto de Renda de Pessoa Física (IRPF) de 2024, referente ao ano-base 2023. Desde o dia 15/3 está liberado o acesso aos programas IRPF 2024 e para download. Também está disponível a declaração pré-preenchida. A data limite para a entrega é o dia 31 de maio.

FAESC

|

26 de abril 2024

Faesc apoia propostas da CNA para Plano Safra 2024/2025 As propostas da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) para o Plano Agrícola e Pecuário (PAP) 2024/2025, entregue nesta semana ao Ministério da Agricultura, traduz com fidelidade as necessidades dos produtores rurais na avaliação do presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc), José Zeferino Pedrozo.

SENAR

|

26 de abril 2024

Cofem debate gargalos nos portos catarinenses O encontro, realizado na sede da Fetrancesc, em Florianópolis, debateu os gargalos no setor portuário catarinense e a renovação da concessão do trecho norte da BR-101.

FAESC

|

26 de abril 2024

5º Remate Searaense de Gado Geral foi um sucesso O evento foi promovido pelo Sindicato Rural de Seara, Associação Criadores de Bovinos de Corte de Seara e Região, Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente e Pampa Remates e contou com o apoio do Sistema Faesc/Senar e do CTG Seara e Pampa.

SENAR

|

25 de abril 2024

Oficina técnica do SENAR/SC aborda manejo de pastagens perenes A iniciativa contou com a parceria do Sindicato Rural de Água Doce e reuniu produtores que fazem parte do Programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG).

FAESC

|

25 de abril 2024

Nota fiscal eletrônica do produtor rural passa a ser obrigatória a partir de 1º de maio Os produtores rurais devem usar exclusivamente a Nota Fiscal de Produtor Eletrônica nas operações estaduais a partir de 1º de maio. O alerta é da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc).

SENAR

|

25 de abril 2024

Senar/SC disponibiliza mais de 430 capacitações gratuitas para maio Para o mês de maio serão mais de 430 capacitações do Programa de Formação Profissional Rural (FPR) e da Promoção Social (PS). A iniciativa conta com a parceria dos Sindicatos Rurais de Santa Catarina.

FAESC

|

24 de abril 2024

Faesc aprova medidas do Governo de Santa Catarina em apoio aos produtores de leite O decreto, os financiamentos aos produtores e os incentivos fiscais para a indústria leiteira visam beneficiar direta ou indiretamente os 22,2 mil produtores catarinenses e garantem R$ 300 milhões em apoio ao setor nos próximos três anos.